blg-img1

Ginástica Laboral-Qualidade de vida para os seus Funcionários.

agosto 9, 2019

blg-img1

Combata o colesterol Alto

agosto 8, 2019

blg-img1

Agosto Laranja -Mês da conscientização da esclerose múltipla

agosto 6, 2019

blg-img1

Depressão, a doença do século

março 18, 2019

  • março 18, 2019

Depressão, a doença do século

 

Segundo a Organização Mundial de Saúde  o número de pessoas com depressão cresceu em média 18%, nos últimos dez anos.

 

Estamos em 2019 em plena era tecnológica, onde tudo – ou quase tudo – está praticamente ao alcance de nossas mãos. Ficamos “de olho” no que diz respeito as novidades do momento nas redes e deixamos de dar atenção ao nosso “eu” de carne e osso. O fato é, que o mundo evolui a cada segundo, porém nós seres humanos não seguimos na mesma velocidade, afinal somos feitos de sensações, sentidos, sentimentos e raciocínios. No entanto, estamos tão acostumados com a era digital e com nosso “eu” virtual que passamos grande parte dos nossos dias vivendo uma vida “online” e esquecemos, muitas vezes, o quanto a “vida real” precisa do nosso auxilio.

Em meio a tantos avanços estamos lidando com uma grande problemática: a saúde mental, que pode parecer simples, mas que está virando uma preocupação, cada vez maior, presente não apenas dentro de algumas casas pelo país e sim tema de discussões levantado por órgãos de saúde pelo mundo todo.  

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) nos últimos dez anos, o número de pessoas com depressão cresceu em média 18%, com a tendência de ser a doença mais impactante do planeta até o próximo ano (2020). Dados recentes da OMS ressaltam que em média 300 milhões de pessoas sofrem de algum transtorno mental no planeta, sendo que o Brasil está em primeiro lugar com mais casos de depressão da América Latina, chegando a atingir a marca de 12 milhões de pessoas.

 

Mas, afinal o que é depressão?

Muitas vezes tratada como uma simples tristeza ou até mesmo classificada como “frescura”, a depressão é na realidade uma doença grave – considerada por especialistas como o “mal do século” – que afeta o corpo e o psicológico, influenciando diretamente nos sentimentos, pensamentos e ações. Este é um transtorno mental que pode levar a uma variedade problemas emocionais e físicos, alterando significativamente as capacidades de atuação. A depressão pode atingir qualquer pessoa, em qualquer idade, afinal as causas desta doença são diversas – fatores biológicos, ambientais, psicológicos ou mesmo hereditários. São alguns exemplos que podem desencadear episódios de depressão: perdas, acontecimentos que diminuem a autoestima, doenças, estresse frequente e/ou prolongado, entre outros.

 

♦ Fique atento, são sinais psicológicos comuns de depressão:

 

Baixo astral ou tristeza;

Perda de interesse em atividades cotidianas;

Problemas para dormir ou insônia;

Mudança de peso e apetite;

Dificuldade em planejar atividades diárias;

Dificuldade de concentração;

Indecisão.

 

Depressão x Ambiente de trabalho

Se a depressão está afetando uma grande parte das pessoas, sobretudo, dos jovens, isso significa um alerta não apenas para as organizações de saúde, mas para os gestores e líderes de empresas. Estamos imersos em uma sociedade muito ansiosa, sendo assim, os ambientes corporativos precisam estar preparados para lidar com esse quadro de funcionários. O fato é que, a resolução deste problema social dentro das empresas, não está em trocar de funcionários, mas em criar formas de auxiliar estes profissionais a lidarem com tal situação.  Afinal, o ambiente de trabalho acaba por ser o local em que passamos mais tempo durante nossos dias.

No Brasil, a depressão é considerada a segunda maior causa de afastamentos. Nos últimos anos, dados da Organização Mundial de Saúde apontam que em média 38% das licenças trabalhistas são motivados por transtornos mentais e comportamentais. E em média apenas 5% destes trabalhadores são reintegrados no ambiente profissional. Entramos então em um empasse duplo, saúde e lucratividade. 

Inteligência emocional, talvez seja o termo correto para que os gestores possam ampliar os horizontes das suas equipes, transformando o ambiente de trabalho em uma alternativa de melhorias emocionais para os funcionários, e não ao contrário. É importante que os líderes considerem não apenas os colaboradores já propensos ao quadro de depressão, mas àqueles que podem a vir ter ansiedades devido ao próprio ambiente profissional.

O primeiro passo é entender o momento em que estamos vivendo, tendo a consciência de que os transtornos psicológicos não são visíveis, porém precisam ser levados em conta. O segundo passo é respeitar que estes transtornos são tratáveis, ou seja, o ambiente de trabalho e as atividades que o permeiam devem ser pensadas buscando auxiliar quem já possui ansiedade e prevenir quem não tem.

 

Como a empresa pode auxiliar?

 

Avaliando constantemente o ambiente físico de trabalho;

Aplicando com frequência avaliações que visem analisar a cultura organizacional;

Fazendo acompanhamento de queixas, atestados, faltas e produtividade;

Incentivando a prática de feedbacks (autoanalise e analise da equipe/empresa)

Investindo em treinamentos para o desenvolvimento de funcionários com cursos, formações, especializações e entre outros;

Investindo em plano de saúde para todos que inclua especialidades como terapia, psicologia e psiquiatria;

Incentivando ações de qualidade de vida no trabalho;

Realizando exames periódicos, visando saúde e valorização do potencial dos colaboradores;

Entre outros.